Como escolher um plano de saúde?

Como escolher um plano de saúde?

Dicas para fazer essa escolha importante de forma mais assertiva

Escolher um plano de saúde é uma decisão importante, portanto, envolve alguns cuidados. Confira essas dicas sobre o que deve avaliar antes de bater o martelo.

Quem precisa do plano? Você, sua família ou seus funcionários?
Planos de saúde podem ser individuais, familiares ou coletivos, que podem ser empresariais ou coletivos por adesão (contratados por pessoas jurídicas de caráter profissional, classista ou setorial, como conselhos, sindicatos e associações profissionais).
É importante saber esta distinção porque algumas regras mudam de acordo com tipo de contratação.

Quais são as suas necessidades? Fique atento à cobertura do plano.
O plano pode ser:
- Ambulatorial
- Hospitalar sem obstetrícia
- Hospitalar com obstetrícia
- Exclusivamente Odontológico
- Referência
- Ambulatorial + Odontológico
- Ambulatorial + Hospitalar sem obstetrícia
- Ambulatorial + Hospitalar com obstetrícia
- Hospitalar com obstetrícia + Odontológico
- Hospitalar sem obstetrícia + Odontológico
- Ambulatorial + Hospitalar sem obstetrícia + Odontológico
- Ambulatorial + Hospitalar com obstetrícia + Odontológico

A segmentação do plano é a composição das coberturas descritas e, para cada segmentação, há uma lista de procedimentos com cobertura obrigatória descrita no Rol de Procedimentos e Eventos em Saúde editado pela ANS (Agência Nacional de Saúde Suplementar) e revisado a cada dois anos.

Confiança
Você precisa ter confiança na qualidade dos serviços da operadora. Peça indicações, pesquise e  peça o número de registro da operadora e do plano na ANS.  Assim, você pode se informar e ver como está a avaliação dela.

Preço
Os preços mudam de acordo com os serviços a que o plano de saúde dá direito, e de acordo com a idade, já que quanto mais idosa a pessoa for, maiores são as chances dela precisar usar os serviços de saúde com mais frequência.
Observe a cobertura, acomodações, se o atendimento pode ser feito em outras cidades, e todas as suas necessidades. Tudo isso influencia no preço.

Reajuste
Os reajustes preocupam, né? Então entenda como são as regras.
Os planos de saúde individuais ou familiares só podem ser reajustados de duas formas: um reajuste anual, definido pela ANS, na data de aniversário do contrato, e outro reajuste por mudança de faixa etária. Peça para a empresa que vende o plano de saúde os valores das mensalidades de todas as faixas etárias para que você possa ter uma ideia desses valores. O primeiro reajuste por mudança de faixa etária é aos 19 anos; depois, de 5 em 5 anos, e o último, aos 59 anos.

Carência
Carência é o período que você terá que esperar para começar a usar determinados serviços, portanto um item muito importante a ser avaliado antes de fechar o plano.
Pela legislação de planos de saúde, novos planos individuais ou familiares contratados podem ter as seguintes carências:
- Casos de urgência (acidentes pessoais ou complicações no processo gestacional) e emergência (risco imediato à vida ou lesões irreparáveis): 24 horas
- Partos a termo, excluídos os partos prematuros e decorrentes de complicações no processo gestacional: 300 dias
- Doenças e lesões preexistentes (quando contratou o plano de saúde, a pessoa já sabia possuir): 24 meses ( o consumidor tem cobertura parcial temporária até cumprir dois anos de ingresso no plano. Durante esse período, ele não tem direito à cobertura para procedimentos de alta complexidade, leitos de alta tecnologia - CTI e UTI - e cirurgias decorrentes dessas doenças.
- Demais situações: 180 dias

Mas, esses são limites de tempo máximos, a operadora de planos de saúde pode exigir um tempo de carência menor que o previsto na legislação, ok?

Para Elie Georges Hachem, presidente da operadora Unihosp, uma das maiores do Maranhão, é preciso analisar seu perfil e necessidades e escolher, além de bom custo benefício, uma empresa que confie. “Pense nos seus hábitos, tipo de rotina, sexo e idade para entender melhor suas necessidades. O mesmo serve se for fechar um plano familiar. Depois faça pesquisas, peça indicações, avalie cobertura, corpo clínico e possíveis vantagens e desvantagens de cada operadora. Existe muita oferta, mas não são todas que vão se adequar às suas necessidades. Saúde é coisa séria, então exija, acima de tudo, transparência e qualidade.”, opinou Hachem.

Gostou das dicas? No site da ANS tem muitas outras dicas e te ajuda a sanar dúvidas importantes antes de tomar sua decisão.